Gira SOL

Nota: E "Jamais o sol vê a sombra" (Leonardo da Vinci).



                _ Como você está hoje?
                _ Eu não sei dizer. Se eu pudesse exteriorizar o que estou sentindo com uma metáfora... Quero dizer, não existe uma palavra para descrever o meu estado hoje. Mas eu posso tentar com uma metáfora, pode ser? Ok. Bem, imagine que você está de férias em uma cidade muito charmosa. É verão e todos os hotéis estão lotados de famílias e amigos. Você conseguiu fazer uma reserva e comprar uma passagem – que não foi muito barata, mas o plano estava dentro do seu orçamento. Você chegou de madrugada no hotel e decidiu aproveitar esse tempo, já que a cidade ainda está acordada em um turbilhão de eventos. Então, você deixa sua bagagem na cama do hotel, separando apenas um lençol e algumas frutas e salgadinhos que trouxe para a viagem, a sua câmera fotográfica e o celular e decide assistir o nascer do sol na praia. Hospedado próximo ao mar, resolve ir caminhando até a praia, escolhe um lugar mais alto, retira as sujidades da areia e estende seu lençol. Abre a mochila e come uma fruta da estação. A praia não está totalmente vazia. Há alguns casais namorando, alguns amigos comemorando, mas nada que tire sua liberdade e espaço. É possível ouvir as ondas arrebentarem na costa, depositando e puxando areia, mescladas com as gargalhadas e sussurros das pessoas. Está um pouco frio, mas você não se esqueceu do agasalho. São quase 6h da manhã e você prepara sua câmera fotográfica. No entanto, os minutos passam e nenhuma fenda de luz, nenhum raio de sol ascende pelo horizonte. Ainda é possível ver as estrelas e a lua. Você se sente ansioso para presenciar a aurora em um lugar tão bonito e especial. Nessa praia as águas são quentes e límpidas, a areia é fofa e as pessoas muito educadas e agradáveis. Mas você não pode negar que está cansado da viagem e essa demora lhe inquieta bastante. Você olha o relógio e já são 8h. Você espera, confere o fuso horário, conversa com um amigo pelo celular, come um salgadinho, devora uma fruta, o sol não aparece. Apesar disso, você não se desanima, permanecendo ali, sentado, até que você olha novamente para o relógio e já é meio-dia. O sol deveria estar a pino, queimando a sua cabeça, mas ainda é noite escura. Está conseguindo acompanhar? Pois é, a praia é maravilhosa, mas não tem sol. Você sabe o que esperar, mas é surpreendido pelo inevitável: não tem sol. Você pensa em voltar para o hotel, descansar e tomar um banho quente, mas quando você tem um plano em mente, dificilmente, consegue tirá-lo da cabeça. Poderá até voltar ao hotel, mas continuará na praia esperando pelo nascer do sol. Mas o sol não nasce. O sol não nasceu. É assim que me sinto. É... E aqui estou eu...
                _ E aqui não está você.


Alline Corrêa Frazão – 21/07/17 – às 02h47min.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Laços de uma não-família

Sobre escrever

Chuva torrencial de excrementos