(En)Volta

Nota: Poesia inspirada na teoria do filme Donnie Darko (Richard Kelly), na teoria dO Eterno Retorno de Nietzsche e no livro 'A insustentável leveza do ser' de Milan Kundera, apoiada à interpretação de Gary Jules de 'Mad World' (também presente na trilha sonora de Donnie Darko). Para quem ama esse filme como eu, recomendo a interpretação da turma do Pipocando [Clique Aqui].




De tempos em tempos, eu deixo artefatos para trás
E eles se alojam no meu envelhecido caminho.
Eles ficam pesados nas minhas costas.
Quando eu for fazer o looping,
Será que vou tropeçar?

De quando em quando, eu volto para recolhê-los
Deixando cair alguma parte de mim no caminho.
Eu fico cada vez mais pesada
Depois que troco um pedaço de mim
Por um artefato de um tempo qualquer.

Enquanto, todos esperam meu sorriso
E tudo o que eu tenho para oferecer
É um sorriso triste e eu sei
Que este é o meu pior tempo
E é o espaço que eu levarei para terminar.

Então, não me esperem no fim.
Como também não me esperaram no começo.
Continuem suas vidas, porque eu morri tão sozinha.
Tão sozinha naquela sala fria.
Como também nasci acompanhada.

E pensando bem, em outros espaços-tempos
Talvez eu já tenha tropeçado,
Mas não em um artefato qualquer
E, sim, em um pedaço de mim
Deixado sozinho em um mundo insano.

Eu sei que os pedaços que deixo para trás
Jamais poderão ser recolhidos
Ou colados de volta no meu corpo.
Ao contrário dos artefatos que eu carrego
Que serão devolvidos para seus lugares iniciais.

E eu, que sempre soube para onde iria
Agora tenho que voltar.
Mas voltar para onde se eu só tenho pedaços de memória,
De artefatos e de mim?
Uma sobra de tudo que já foi inteiro.

Os sonhos que eu guardava em potes de vidro
Se quebraram dentro dos meus olhos.
Mas os potes de vidro estão inteiros
E agora nenhum impacto pode quebrar seu vazio
Nem mesmo a esperança que eu carregava com os pés.

Então, de tempos em tempos, eu deixo artefatos para trás
E eles se alojam no meu novo caminho.
Eles ficam leves nas minhas costas.
Quando eu for fazer o looping,
Será que, dessa vez, vou levantar?


Alline Corrêa Frazão – 07/08/16 – 18h54min.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Laços de uma não-família

Sobre escrever

Chuva torrencial de excrementos