Guarda-seu

Nota: a proposta foi poética. Nós nem tanto. A fotografia foi escolhida por Matt. Espero que gostem.


Desconheço autoria.

Guarda?

Guardou o Sol
Guardou a Chuva
Guardou o coração...


Mas num dia ventanesco
Quixote tomou-o pela mão
E o vento uivou forte,
Soprando o que se salvara.

Coloriu-se de azul.
De vermelho, de amarelo, de anil.
De amor, de cor, da flor.
E rodopiou sublime pelo uivo.
Conquistou terras jamais vistas
E beijou carinhosamente a mão de Sininho.
Terra do Nunca, pra lá se foi.
O menino que segurou a haste do guarda-tudo.

Guardou o Sol
Guardou a Chuva
Guardou o coração
E as estrelas de montão
No lombo do unicórnio alazão.
Nas asas da fênix e do dragão.

Mas uma voz inquieta o chamava
Insistia insistentemente para que voltasse.
Fechou o livro e andou.
E a voz gritou:

- Anda, menino! Apressa-se que o bolo esfria.
E o chocolate também.

E o chão se esfarelou e se fartou.
Pelas doces moléculas de água
Que desciam pelas abas do guarda-chuva.

Matheus Castilho
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Guarda-(...)


Ela não podia ver o céu.
Ela não tinha véu.
E era queimada pelos raios do sol.

Pequena mulher.
Cantada por ser.
Não tinha paz na vida.
Caminhava feito cão
Por estradas que não conhecia
Vivia, cem* medo
Duzentos por dia.

Certo dia, uma criança lhe falou
Que o mundo não tem voz
Que anda cheirando a poeira mental.
O mundo é um atroz - a criança disse:
Evapora a água do mar para ter sal.
Então, Ela saiu correndo atrás do caminho que lhe disseram.
Fugiu, como andorinha para o de onde vieram...
Chegando lá, encontrou uma senhora que a chamou pra entrar.
- Esquento a chaleira, ocê me fala da macieira.
Ela entrou e se sentou à mesa
Bebeu café de chaleira velha
Nunca se sentiu tão em casa.
A velha lhe beijou a face e a chamou pra 'saletinha velha de fiar'
Ela encontrou vários guarda-sóis.
Disse-lhe a velha:
_ Todos, fiá, precisam de uma luz própria, guardar o seu sol pros dia de tempestade e trovão.
_ Me dê sem medo, duzentos por dia.
E a velha lho deu.

Saiu Ela,
Com cor aquarela
Pela terra do chão.
Chegou a sua rua
Açambarcou sua lua.
Beijou o não.
Abriu os guarda-sóis
Eles subiram e pairaram no céu.

Caiu o véu.
- Que velha gagá-sábia.

Ela descobriu que eram guarda-chuvas.
Ela sorriu.
Ufa!

Alline Corrêa Frazão 
Obs: * erro proposital! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Laços de uma não-família

Sobre escrever

Chuva torrencial de excrementos