Pais e filhos



Nota: Além da música "Pais e filhos", temos outras referências no texto, como "Natália", "Leila", do cantor (amadíssimo) Renato Russo. Boa leitura!
 


    Quando acordou nada viu além de estátuas, cofres e paredes pintadas. E ouviu um barulho inebriante. Era só o vento lá fora. Sandra se levantou preguiçosamente, foi até a cozinha fazer o café. Ela sabia que o cheirinho do café levantaria Natália e Leila. A mixórdia começaria quando as duas colocassem os pés no chão.
   _ Quero colo! – disse esperneando, Leila.
   _ Vou fugir de casa! – Murmurou Natália.
   À medida que o tempo passava e as meninas cresciam, aumentava também o medo de Sandra cair no esquecimento. Ela se sentia uma palerma, uma lassitude encarnada em mãe. Enquanto Leila não desgrudava de seu colo, Natália nem olhava para o seu rosto. Por isso Sandra estava na iminência de ensandecer.
   _ Estou com medo, tive um pesadelo. – Deitava Leila, na cama da mãe.
   _ Só vou voltar depois das três. – Saía Natália com pedra, papel e tesoura.
   Até que, Sandra resolveu interrogar-se e sentir-se abancada em um precipício. E foi assim que ela acometeu-se de uma doença terrível. E dormia agora. Leila gritava e ninguém ouvia. Natália calava-se e ninguém se importava com o seu silêncio. Leila consumida pela insônia resolveu intimidar Natália. Não poderiam deixar sua mãe definhar na própria casa. E as filhas tomavam conta da mãe. Primeiramente movidas pelo desconforto. Logo, levadas pela sensação de efemeridade da vida, da velocidade com que o futuro vinha e levava o tênue corpo de Sandra.
    Perceberam que elas não entendiam sua mãe. E isso era apenas a gota d’água, o grão de areia. Em vez de se jogarem da janela do quinto andar ou jogarem a mãe do quinto andar (nunca se sabe), foram dormir ao lado da mãe. Acordaram cedo e observaram quantas estátuas, cofres e paredes pintadas havia. Foram rapidamente até a cozinha, acordaram a mãe com o cheiro do café. Amariam Sandra por todo o amanhã. Mas algum barulho invadiu a casa fazendo Leila gritar e Natália calar a boca.
   _ Já descobri o que eu vou ser quando crescer! – gritou Sandra para as filhas, saindo da cama.

27/05/12 – 23h28min – acf.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Laços de uma não-família

Sobre escrever

Chuva torrencial de excrementos