Eu não estava

Nota: Contra o tempo nada pode ser feito. Ele resolve por si só aparar as pontas, que na costura, ficaram soltas. Bendito seja o tempo. Ele sabe o que faz. E nós nos lembramos dos feitos. Ou pelo menos, o que levou à eles.






Sinto muito, mas me faltam as palavras. Perdoe-me por isso.
O que eu posso dizer?
Ela pousou os olhos nele, por sua vez, ele seguiu pelo lado oposto.
Fizeram-se anos.
Entreolharam então, no entanto dessa vez ela tomou dianteira. Já estava do lado oposto.
Fizeram-se dias.
Ela escrevia, ele cantava.
Ela desbravava, ele chorava.
Ela não observou, ele não a viu.
Fizeram-se séculos.
Ela cresceu. Ele cresceu.
Ela desaparece, ele explora.
Fizeram-se horas.
Eles se esbarram.
Ela enfurece, ele ri.
Ela sorri, ele foi-se.
Fizeram-se milissegundos.
Ela arrebenta a porta. O relógio para.
Ela corre agora.
Gritei por ela. Ela não para. Clamei.
Ela graceja e esbraveja: desculpe-me estou atrasada preciso encontrar minhas estrelas.

Jéssica Pamplona - 18/11/2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Laços de uma não-família

Sobre escrever

Chuva torrencial de excrementos