Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2013

Ano novo

Imagem
Nota: E acaba mais um ano... O que dizer de vocês, leitores amados, que agora fazem parte da minha estrada? O que eu posso dizer das conquistas, dos novos e velhos amigos, da família e das perdas? Eu tentei escrever algo diferente, mas foi somente isso que consegui. Foi em 2013, que vi nascer mais esse sonho, Blog amado, GAIOLA VAZIA E INANIA VERBA. E será em 2014 que darei continuidade, ao lado dos meus amigos Matheus e Jéssica, com o intuito de crescermos mais, como pássaros com mesmas asas, mas com sementes novas . Foi através desse Blog que descobrimos tantas gaiolas, mas que libertamos tantos pássaros ao passo que, fomos irradiados de inania(s) verbalmente amorosas. Tudo o que eu tenho a dizer a tudo e a todos é OBRIGADA!




O guardador de rebanhos - contatos

Entre em contato com a GAIOLA_INANIA.    Siga-nos no twitter: @Gaiola_Inania. [clique aqui].    Curta nossa página no facebook[clique aqui] .
   Acompanhe-nos pelo tumblr[clique aqui].
   Ou pelo SKOOB[clique aqui].    Ou mande seu recado para o nosso e-mail: gaiola.inania@gmail.com
   Vocês, leitores descobertos que me convivem, são meu rebanho e por meio de vocês eu me faço cordeiro. E que venham os frutos. Quero poder estar, como um pastor zeloso, amparando-os, não só com os meus textos e dos meus amados amigos (Jéssica e Matheus), mas também os ouvindo, sonhando-os. E através disso me redescobrindo, me incomodando, me libertando, através da libertação de vocês, colibris, como um pássaro que deixa para trás sua gaiola. Deixo essa Inania Verba ser completada por um dos meus poetas prediletos. Com vocês, Fernando Pessoa.
O guardador de rebanhos
Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações

Chuillie, um refrigerador de 1950 no presente

Nota: Desta vez, a base é o curta "Chuillie, um refrigerador de 1950 no presente". E mais uma vez, nos juntamos e construímos as 3 visões que se desenrolam logo a seguir. Partimos com lembranças, buscamos um amor, ou quem sabe a aceitação. Por que? Por que somos ultrapassados? Talvez, seja isso que a sociedade tem pregado há um tempo, mas rebeldes que somos, não deixaremos de buscar. Por mais que o amor seja dor, ou liberdade, ou indefinição, é um sentimento puro e único. Mas há também o engano. Então, por meio desse fluxo (in)fixo, perguntamos à vocês, leitores queridos: seja fugindo, seja descobrindo, vocês já encontraram um lar? E são aceitos como vocês são? Vocês são amados e amam? Runaway? Boa leitura.



V-IDA

Imagem
Nota: Aos que sofrem do coração...
Fotos de Rafal Makiela (para mim, uma simulação dentro do útero).